A comunidade cristã e a divina misericórdia

Reflexões de dom Amilton Manoel da Silva, CP, sobre o 2º Domingo da Páscoa.

A comunidade cristã é um lugar privilegiado de “Encontro” com o Jesus Ressuscitado.

A 1ª Leitura (At 5,12-16) lembra que a comunidade primitiva era viva, formada de pessoas estimadas e exercia forte atração sobre todos.  A comunidade cristã deve ser sinal visível de Cristo Ressuscitado. O Salmo, dentro do domingo da Misericórdia, lembra que é eterna a misericórdia de Deus (Sl 117).

A 2ª Leitura (Ap 1,9-11a.12-13.17-19) apresenta Jesus caminhando com a sua Igreja.

No Evangelho (Jo 20,19-31), o Cristo vivo e ressuscitado é o centro da comunidade cristã. A comunidade insegura e frágil, dominada pelo medo, se estrutura ao redor de Cristo e dele recebe a vida que a anima e que lhe permite enfrentar as dificuldades e as perseguições. Na vida da comunidade, encontramos as provas de que Jesus está vivo. O texto apresenta dois encontros dos apóstolos com Cristo Ressuscitado: “1º dia da semana... Oito dias depois...” (domingo). Lembra as celebrações dominicais da comunidade primitiva: fração do pão (A Missa). É o dia em que a comunidade é convocada para celebrar a Eucaristia. A comunidade também se encontra com o Ressuscitado através da Palavra. Jesus transmite a paz, o Shalom, comunica o Espírito Santo (lembra o “sopro” de Deus na criação) e os envia em Missão. O Episódio de Tomé é uma catequese sobre a fé. É preciso crer na presença do Ressuscitado. Fora da comunidade não se encontra o Cristo ressuscitado: “Meu Senhor e meu Deus”.

O que significa para nós a Eucaristia, na comunidade, sobretudo aos domingos? Que valor tenho dado à minha comunidade? Que Divina Misericórdia esteja sempre presente em você e em sua família.

Bom domingo!
Deus te abençoe.