A medida do amor

Reflexões de dom Amilton Manoel da Silva, CP, sobre o 5º Domingo da Páscoa.

O tempo pascal que nos prepara para a solenidade de Pentecostes vai se encaminhando para o seu final. Por isso começamos a ouvir de Jesus palavras de despedida... Hoje Ele nos fala do espírito que deve animar a nova comunidade que deixará: o amor mútuo.

A 1ª leitura (At 14, 21-27) mostra o final da 1ª viagem missionária de São Paulo, na qual fundou e organizou novas comunidades cristãs. Nela podemos notar 3 elementos: o anúncio da Palavra até os confins da terra, os conflitos devem ser superados e a organização das comunidades. Paulo cria uma Instituição de dirigentes (“Presbíteros”), que aparecem aqui pela primeira vez fora da Igreja de Jerusalém.

A 2ª leitura (Ap 21,1-5) mostra o rosto final dessa comunidade. Deus veio morar conosco. Cabe à comunidade cristã transformar a Babilônia em que vivemos em Nova Jerusalém. A Igreja deve ser essa “noiva” bela, que caminha com amor ao encontro de Deus, o Amado.

No Evangelho (Jo 13,31-35) Jesus, ao se despedir dos discípulos, deixa em testamento à comunidade o mandamento novo: “Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei”. Esse amor é sinal da presença de Jesus na comunidade cristã, é o distintivo do verdadeiro cristão: “Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos...” A novidade está na medida e no modelo desse amor. “Como eu vos tenho amado...”.

Amar como Deus ama, com a grandeza do coração de Deus, à semelhança Dele, este é o maior desafio da nossa vocação cristã. Não se trata aqui de uma recomendação, mas condição para chegarmos ao céu. Tenho buscado amar como Jesus?

Bom domingo!
Deus abençoe.