A Santíssima Trindade

Reflexões de dom Amilton Manoel da Silva, CP, sobre a Solenidade da Santíssima Trindade

Desde pequenos, aprendemos de nossos pais a fazer o sinal da cruz e chamar a Deus: de Pai, Filho e Espírito Santo. Assim com toda a naturalidade, estávamos invocando o mistério mais profundo de nossa fé e da vida cristã: o mistério da Santíssima Trindade, cuja festa hoje celebramos. Mais tarde, na catequese, nos apresentaram o mistério da Trindade como um exemplo clássico de algo incompreensível. A Santíssima Trindade é o Mistério de um só Deus em três pessoas. É uma comunidade de amor vivida pelo Pai, pelo Filho e pelo Espírito Santo. Deus é Amor, e o amor é, ao mesmo tempo, três e um: aquele que ama, aquele que é amado e o amor entre os dois. Ao “Amor amante”, nós chamamos de Pai; ao “Amor amado”, de Filho; ao “Amor que circula entre os dois e os abre para o mundo e a humanidade”, Espírito Santo. As leituras nos ajudam a entender melhor esse tema central da fé. 

A 1ª leitura (Pr 8,22-31) fala do Pai e da sua obra criadora. Põe em ação seu projeto: cria o universo com “Sabedoria” e Amor. 

A 2ª leitura (Rm 5,1-5) apresenta a obra do Filho. Através dele Deus-Pai derrama sobre nós os seus dons e nos oferece a vida em plenitude. 

O Evangelho (Jo 16,12-15) esclarece a missão do Espírito Santo: completará a obra do Pai e do Filho, para que possamos aderir plenamente ao projeto do Pai e à obra salvadora do Filho. A festa da Santíssima Trindade é um convite a vivermos o amor, que é família, que é comunidade e que criou os seres humanos para fazê-los comungar nesse mistério de amor e vida. É também um convite a vivermos em comunhão, em comunidade: “Pai, que todos sejam um, como eu e tu somos um...” (Jo 17,11). 
Como temos testemunhado esse amor trinitário em nossas vidas, em nossa comunidade? 

Bom domingo. 
Deus te abençoe.