Assembleia do Clero define os rumos da diocese de Guarapuava para os próximos anos

Confira quais foram os principais temas abordados pelos padres, diáconos, leigos e pelo bispo diocesano durante a assembleia.

21/11/2022 07H30


A Assembleia Diocesana do Clero, realizada anualmente, é um dos eventos de maior importância para a avaliação da caminhada da Igreja e tomada de decisões por parte dos padres, diáconos e bispo. A assembleia realizada entre os dias 7 e 9 de novembro teve relevância ainda maior por definir passos importantes na caminhada da Igreja para os próximos anos, em contexto de pós-pandemia. Participaram mais de 100 pessoas.

 

Saúde Mental dos Padres

O encontro teve início na segunda-feira, dia 7 de novembro, com a oração na capela da Casa de Líderes Nossa Senhora de Guadalupe. Logo em seguida, os padres participaram de uma formação com o padre Rafael Solano, da arquidiocese de Londrina (PR), com o tema “A Saúde Mental dos Prebíteros”. O tema tem sido abordado com frequência em diversos encontros de sacerdotes pelo Brasil nos últimos anos.

 ”Já escutamos falar de suicídios de padres. Parecia impossível, mas o padre é um ser humano que também cansa, se satura com tantos desafios. Muitas vezes eles ficam sozinhos em paróquias distantes. A pandemia atingiu todo o povo, e também os padres e bispos. Precisamos cuidar melhor dos nossos padres, pois achamos às vezes que eles são super homens, super heróis, e às vezes estão precisando de cuidados não apenas mentais, mas também espirituais e físicos”, afirmou o bispo da diocese de Guarapuava, dom Amilton Manoel da Silva, CP.

Após o almoço foi o momento de falar sobre questões práticas da administração da diocese, bem como da prestação de contas por parte da Mitra Diocesana. Ao final da tarde, os padres participaram de um momento de confraternização do Seminário Menor Nossa Senhora de Belém, ao lado da Casa de Formação, onde jogaram futebol.

 

Iniciação à Vida Cristã e o novo Diretório da Catequese.

Na terça-feira, dia 8, os padres definiram, na parte da manhã, o novo Diretório da Catequese para a diocese, contemplando aspectos da Iniciação à Vida Cristã. O documento foi elaborado pelo coordenador da Comissão Bíblico-Catequética, padre José Vítor Cozechen Seller, sempre em sintonia com os demais sacerdotes. É um passo importante para a diocese, uma vez que ao ter um modelo definido de trabalho, sabendo para onde ir, é possível fazer uma caminhada em unidade.

Na reunião do clero realizada em julho foi aprovada a decisão de implementar a Iniciação à Vida Cristã na diocese, e os padres pediram para apresentar um projeto mais claro. Este projeto foi estruturado e apresentado nas reuniões dos decanatos em agosto e outubro, para que os padres pudessem opinar, dar sugestões e apresentar também as suas inquietações. [...] O Diretório que apresentamos na reunião de novembro é fruto de todo esse projeto que foi sendo ampliado, melhorado e dialogado”, informou padre José Vítor.

 

Sínodo dos Bispos e o novo Plano Pastoral Diocesano

Na tarde do segundo dia do encontro os padres, junto com os leigos coordenadores diocesanos das Pastorais e Movimentos e religiosas, “mergulharam” nas informações coletadas nos trabalhos de escuta do Sínodo dos Bispos, no início do ano, e na Assembleia do Povo de Deus, no final de setembro. Os participantes se reuniram por decanatos e partilharam situações boas e ruins evidenciadas pelo Sínodo e pela própria experiência nas diferentes realidades da diocese. Dessas reuniões, surgiram as principais linhas de trabalho que nortearão o Plano Diocesano de Pastoral, que guiará a Igreja na diocese de Guarapuava pelos próximos três anos. 

Na avaliação de dom Amilton, o trabalho de escuta do Sínodo dos Bispo teve grande importância para a reunião. “Primeiro foi feito, em cada paróquia, o processo de escuta. Temos aqui o rosto das 47 paróquias. Depois, foi feita a reunião por decanatos para chegar a um consenso sobre onde a diocese precisa mais se empenhar nos próximos anos. Isso deve voltar para as paróquias e comunidades, através dos padres, para que junto com o povo saibam como colocar em prática”, afirmou o bispo em entrevista para a Rádio Cultura FM.

 

Decanatos ou foranias?

Uma questão que há muito tempo estava sendo discutida entre os sacerdotes é a revisão da organização dos decanatos da diocese, de forma a facilitar o deslocamento entre as diversas cidades e a realização de reuniões e formações. Cinco padres apresentaram nove propostas diferentes, que foram submetidas a uma votação. A proposta vencedora, do padre Carlos de Oliveira Egler, não alterou a quantidade de Decanatos, mas os “subdividiu” em grupos menores de cidades, de acordo com os setores das Santas Missões Populares. O Decanato Pinhão, cujos deslocamentos são os mais desafiadores, agora também terá a opção de realizar encontros em Guarapuava. Essa decisão terá vigência no cronograma de atividades da diocese para o ano de 2023, que será divulgado em breve.

Outra dúvida que existia era sobre a mudança do termo “decanato” para “forania”, de forma a ficar mais condizente com o Código de Direito Canônico. Durante a votação surgiu uma ajuda inesperada. O padre guarapuavano Felipe Fabiani, experiente canonista, está de férias de seu trabalho como secretário do Núncio (embaixador) Apostólico em Zimbabwe, na África, e compareceu no encontro. Ele explicou aos colegas sacerdotes a diferença entre os termos e auxiliou na votação. Como o termo “forania” está mais ligado a questões burocráticas, os sacerdotes definiram que não vale a pena alterar o nome, então a diocese de Guarapuava continua com quatro “decanatos”.

 

Comissões Pastorais

Na manhã de quarta-feira (9), último dia do encontro, foi a vez dos padres coordenadores das Comissões Pastorais apresentarem suas avaliações e projetos aos colegas. Foi um momento significativo, uma vez que os padres, enquanto lideranças, precisam entender de forma ampla a caminhada diocesana, de forma que os trabalhos pastorais nas paróquias permaneçam alinhados com a proposta diocesana, construindo assim uma Igreja ainda mais unida.
 

Veja Mais